Vovó desenvolve games para orgulho dos netinhos

Escola ensina público maduro a criar jogos digitais e, ao mesmo tempo, prevenir doenças

Quando pensamos em jogos digitais, os famosos games, pensamos normalmente em adolescentes e crianças. E quando pensamos em desenvolvimento de games? Logo imaginamos jovens antenados com tecnologia. Mas não é sempre assim! O ViverAgora conheceu a Isgame (International School of Game), localizada em São Paulo, que ensina desenvolvimento de games para todas as idades, com curso exclusivo para os 50+.

Segundo o fundador e CEO da Isgame, Fabio Ota, não é difícil aprender a desenvolver. “Criamos uma metodologia em que tiramos a parte teórica e começamos na prática, estruturamos uma forma de pensar diferente”, explica.

Fabio Ota, CEO da Isgame

E ao final do curso, os participantes se satisfazem com tudo que conseguiram fazer. “Na última aula pode levar neto, sobrinho, é muito divertido. E eles ainda levam o jogo que desenvolveram para casa, podem mostrar para a família e jogar junto. Os mais novos ficam impressionados e para a autoestima deles é fantástico”, destaca Fabio.

O intuito na verdade dos Cursos 50+, muito além de melhorar a autoestima, é prevenir doenças cognitivas. “Há três anos montei a escola de game para crianças e jovens, com o objetivo de melhorar a área de raciocínio e pedagógico. Percebi que havia muita ligação com estudos dizendo que essa prática ajuda na prevenção de doenças cognitivas.”, explica.

“Procurei especialistas e me apresentaram dois que estavam voltando do Japão com doutorado em gerontologia. Falei o que achava sobre fazer cursos com maiores de 50 anos e eles concordaram que devia trazer benefícios, pois já havia estudos dizendo que só jogar videogame já melhorava essa prevenção”, acrescenta Fabio.

Hoje a Isgame está com uma pesquisa pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) em que avaliaram 55 idosos cognitivamente e acompanharam-nos durante o curso. A pesquisa, de um ano, culminou num relatório científico a ser aprovado pela fundação que aponta melhoras cognitivas de concentração e memória. “O curso, mais do que ensinar games, é um tratamento preventivo para doenças cognitivas”, ressalta o CEO.

Para a aluna Leomar de Meira Bisse, “sempre vale a pena aprender coisas novas”. “Levei meu joguinho para casa e joguei com meu netinho, ele ficou muito orgulhoso da vovó”, conta.

Leomar de Meira Bisse, aluna da Isgame

Teresa Bocardo, também aluna, destaca que o curso trabalha “a memória e a parte cognitiva, e ajuda a prestar mais atenção, a gravar as coisas”.

Teresa Bocardo, aluna da Isgame

Conheça a Isgame

Site: isgame.com.br

Facebook: www.facebook.com/InternationalSchoolOfGame

Contato: contato@isgame.com.br

2 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *