Seminário debate homossexualidade na maturidade

Seminário debate homossexualidade na maturidade

O tema é quase invisível, mas precisa ser debatido pela sociedade brasileira.

Acontece nesse sábado, 25, em São Paulo (SP), o 1º Seminário Velhices LGBT. A proposta é abrir o diálogo sobre tudo o que envolve o tema e aproximar pesquisadores, profissionais, lideranças e idosos.

O especialista em Gestão de Serviços de Saúde para Idosos, um dos coordenadores do evento, Diego Miguel, enfatiza que a questão do afeto e sexualidade na velhice é um tabu a ser desmitificado.

O assunto é delicado. Um estudo publicado pela revista Social Science & Medicine mostrou que o número de casos de depressão em homossexuais chega a dobrar na terceira idade.

“Envelhecer é especialmente difícil para mim porque sou gay” é uma das frases ditas por um dos participantes da pesquisa. Alcançar a maturidade é um desafio para todos, mas para quem tem opções sexuais não tradicionais esse é o momento de enfrentar novas ameaças e preconceitos.

Também professor de pós-graduação em Gerontologia, Diego levanta alguns questionamentos. “A velhice é uma etapa da vida que é envolvida por muitos preconceitos e mitos. Não é difícil encontrarmos situações de violência por preconceito etário. Como será então para um idoso LGBT?”

“Há artigos que apontam para uma questão muito delicada, em que idosos acabam desconstruindo sua identidade de gênero, ou ‘voltam para o armário’”, completa o especialista.

É necessário debater, dialogar e expor um assunto ainda invisível, mas de extrema importância. É preciso que os mais maduros não tenham mais medo de se assumir e continuarem felizes como são, sem medo de uma sociedade culturalmente preconceituosa.

 

Serviço

 I Seminário Velhices LGBT

A invisibilidade de um passado histórico, a esperança de um futuro de glória.

25 de novembro – das 8h30 as 17h30

Instituto Carrefour | Rua Paul Valery, 255

São Paulo | SP

Mais informações: https://goo.gl/BSWQY9

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *