Para desacelerar o envelhecimento, comece a cuidar dos seus telômeros

São as sequências repetitivas de DNA que existem nas extremidades dos cromossomos

A bióloga Elizabeth Blackburn foi uma das ganhadoras do Prêmio Nobel de fisiologia/medicina em 2009 por causa das descobertas que fez sobre os telômeros (sequências repetitivas de DNA que existem nas extremidades dos cromossomos) e sua relação com o envelhecimento. Parece grego? Mas a explicação desta cientista é de uma simplicidade que só mostra sua genialidade: “se você tem um par de sapatos com cadarço, vai perceber que, no fim deste cadarço, há um acabamento de plástico ou metal para protegê-lo, para que não se desgaste rapidamente. Pois imagine o cadarço como sendo o cromossomo, que carrega a nossa informação genética – e o telômero é essa pontinha que serve de proteção! Quando se desgasta, o material genético fica desprotegido e as células não podem se renovar apropriadamente”.

Nos últimos meses, ela deu esta explicação várias vezes, nas entrevistas para o lançamento de “The Telomere Effect: A Revolutionary Approach to Living Younger, Healthier, Longer” (em tradução livre, “O efeito telômero: uma abordagem revolucionária para ser mais jovem e saudável por mais tempo”). O livro, escrito por Elizabeth e pela psicóloga Elissa Epel, se propõe justamente a ensinar a recuperar essas estruturas e, dessa forma, conseguir retardar o envelhecimento: “basicamente, estamos falando de ajustes em nível celular para manter as pessoas saudáveis e retardar o surgimento de enfermidades relacionadas com a velhice”, afirmou em diversos meios.

Mudanças no estilo de vida ajudam a manter a saúde dos telômeros, como fazer exercício e adotar uma dieta saudável. No entanto, Elizabeth aponta as mazelas da sociedade como um dos fatores determinantes para o seu comprometimento e o surgimento de doenças cardiovasculares, diabetes, diversos tipos de câncer e demência. Numa entrevista à PBS (a rádio pública americana), garantiu: “nós descobrimos uma relação direta entre o volume de estresse, violência, ou bullying a que alguém é submetido e o encurtamento e desgaste dos telômeros. Não se trata de um julgamento subjetivo, porque nos baseamos em estatísticas”.

Esse processo varia de acordo com o indivíduo e há aqueles mais resistentes ao estresse, mas, à medida que os telômeros se gastam, mais as pessoas se tornam propensas a entrar para grupos de risco de diversas doenças. O Nobel de Elizabeth se deveu ainda à descoberta da enzima telomerase, capaz de retardar, prevenir e até reverter parcialmente o encurtamento dos telômeros, mas ela alerta para o risco de suplementos com a substância, porque em excesso ela aumenta o perigo de câncer. No livro, as autoras apresentam uma “cartilha”, porque, como diz Elizabeth, “eu tenho o poder de impactar meus próprios telômeros; e também tenho o poder de impactar os dos outros”. Aqui estão cinco dicas:

1) Dormir no mínimo sete horas toda noite.
2) Exercitar-se moderadamente (corrida leve ou caminhada acelerada) três vezes por semana, por pelo menos 45 minutos – lembrando que, quanto maior o estresse, mais relevante é o papel do exercício. Sedentários já começam a se beneficiar com de 10 a 15 minutos diários de exercício.
3) Diminuir o consumo de açúcar – em 2014, um estudo feito com 5 mil americanos que tomavam mais de meio litro de refrigerante por dia mostrou que eles tinham 4,6 anos a mais de idade biológica.
4) Adotar dieta rica em ômega 3, grãos, verduras e frutas, descartando alimentos processados e refrigerantes.
5) Meditar, um antídoto eficaz contra ansiedade e depressão. Pesquisa com cuidadores de parentes com demência, que praticaram meditação 12 minutos por dia durante dois meses, mostrou que eles tiveram um aumento de 43% da enzima telomerase.

Foto: Elizabeth Blackbun cientista ganhadora do Nobel em 2009, estuda os telômeros
Crédito: © Prolineserver 2010 / Wikipedia/Wikimedia Commons, via Wikimedia Commons

Fonte: G1 Longevidade

2 respostas
  1. Sonia says:

    Achei muito interessante esta materia.
    Pois estou entrando na terceira idade, estas infomaçôes vão ser de muita utilidade pra minha saude.
    Parabéns pela pesquisa.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *